A Associação Empresarial de Águeda (AEA) considera “imorais” as práticas que os bancos estão a adoptar. “Referimo-nos em concreto a comissões abusivas cobradas sobre a recepção de transferências interbancárias nacionais, comissões de acompanhamento da operação, portes (como se não fosse obrigação do banco enviar documentos, para efeitos contabilísticos ou para efeitos de discriminação dos débitos, aos clientes), comissão de gestão, comissão de análise, … enfim, comissões por tudo e por nada”, escreveu a associação ao Governador do Banco de Portugal.

Para a AEA, “para além desse rol de comissões, também são abusivos os aumentos dos spreads. Há Micro e PME’s que pagam spreads superiores a 10% que nada tem ver com o risco da actividade mas sim com práticas bancárias ofensivas à actividade empresarial, em claro aproveitamento da pequena dimensão e baixo poder reivindicativo dos clientes”.

(informação completa na edição impressa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.