A Associação Empresarial de Águeda (AEA) organizou uma missão institucional e de prospeção de mercado à Polónia, juntamente com a Associação Empresarial de Cambra e Arouca (AECA), este mês de novembro.

“Esta missão apresentou um balanço extremamente positivo, tendo sido lançadas as bases para a organização de uma missão inversa entre as empresas de Portugal e Polónia”, referiu a AEA, fazendo o balanço da sua presença nas cidades de Varsóvia, a capital polaca, e de Lublin. “A indústria destas regiões incorpora com grande compromisso na sua oferta, inovação, tecnologia e diferenciação das suas soluções, exportando uma oferta alargada de produtos e serviços”.

As duas associações portuguesas juntaram-se para “contribuir para os ganhos de competitividade na exportação das fileiras da metalomecânica e do habitat”, pois “a exportar para mercados cada vez mais competitivos, os ganhos de competências e a competição assumem maior relevância face à concorrência, e de extrema importância para todas as empresas”.

CRIAR CANAIS DE EXPORTAÇÃO

A ação foi organizada no âmbito do projeto Master Export, apoiado pelo Portugal 2020, envolvendo pela AEA o vice-presidente da direção, Óscar Mendes, e a técnica responsável de apoio ao mercado externo, Patrícia Gonçalves.

A delegação empresarial encontrou-se com a Câmara do Comércio Luso Polaca, visitou a feira da metalomecânica (Warsaw Industry Week Fair), que decorreu em Varsóvia, e reuniu com clusteres da indústria da metalomecânica em Varsóvia e em Lublin, a 280 quilómetros da capital. Nesta cidade, a convite visitou a empresa Cewar Sp. z o.o.SP.K. (produção de metalomecânica de alta precisão). A missão reuniu ainda em Varsóvia com a confederação polaca do sector da construção e com a união dos produtores de materiais de construção.

O Master Export apresenta-se com a missão de “apoiar as empresas das duas regiões em processos bem-sucedidos de internacionalização”, criando “canais de exportação para países com elevado potencial e geograficamente próximos e capacitá-las para se apresentarem nestes mercados com bens de maior incorporação tecnológica”. Tem como mercados-alvo a Bélgica, Espanha, França, Luxemburgo e Polónia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *