Amadeu Morais, presidente da Associação de Criadores de Raça Holstein da Região Centro e organizador da Feira do Mundo Rural em Águeda, considerou, em entrevista ao RA (edição impressa), que “nenhum país se pode considerar indpendente se não tiver garantida a subsistência alimentar”.

 

O dirigente e agricultor respondia assim à questão sobre se Portugal deveria apostar mais no sector agrícola, acrescentando que “produz-se menos 50% de trigo em Portugal, 40% na Ucrânia e 60% na Rússia; a Ucrânia é o maior exportador de trigo do mundo, a Rússia é o terceiro maior exportador do mundo…”. E questionou: “onde é que amanhã vamos ter farinha para fazer pão?”

 

Para Amadeu Morais, “os nossos governantes europeus não têm seguido a melhor estratégia” e “a Comunidade Europeia diz que ajuda os agricultores a fazer isto e aquilo mas, na maioria dos casos, por falta de estruturação fundiária, não são candidatáveis”.

 

Aquele dirigente apresenta soluções, numa entrevista onde valoriza a importância do sector agrícola também no âmbito local. “Em Águeda toda a gente, além do mais, é agricultor nas horas vagas”; “foi o dinheiro poupado na agricultura que permitiu o lançamento da indústria em Águeda”; e “quase todos os industriais aguedenses descendem de agricultores” são algumas das ideias expressas por Amadeu Morais.

 

(entrevista completa na edição impressa)

Um comentário

  1. leandro pinto

    Setembro 16, 2010 às 16:34

    tem toda a razão… os portugueses so vão acordar e sentir o que o pm nos esta a fazer quando portugal estiver a passar fome…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.