A comissão concelhia de Águeda do PCP “repudia de forma veemente o comportamento da generalidade dos membros da nossa Assembleia Municipal”, que aprovou o novo modelo de gestão da água e saneamento.

Em comunicado, os comunistas consideram que os membros da Assembleia Municipal “acabam por dar na última reunião daquele órgão, o exemplo do seu enfeudamento a um conjunto de interesses difusos que não coincidem de todo com o interesse dos aguedenses”.

Para o PCP, o contrato de parceria entre o Estado e os municípios da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro “visa a curto prazo a privatização da água e do saneamento com a sua absorção pelas Águas de Portugal”.

O aumento do custo da água e a perda de postos de trabalho nos serviços municipais do sector são preocupações centrais dos comunistas.

 

NOVO MODELO AVANÇA SEM OLIVEIRA DO BAIRRO

 

Entretanto, na reunião da última segunda-feira (dia 6 de Julho), a CIRA – Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro – decidiu dar continuidade ao processo de adesão, com a formalização do contrato de parceria. Alheia aos recuos dos municípios de Oliveira do Bairro e de Ovar. No primeiro caso, a adesão foi ‘chumbada’ na Assembleia Municipal depois de ter passado no executivo camarário; em Ovar, foi o próprio executivo que reprovou.

(informação completa na edição impressa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.