Eduardo Veiga estava a três pontos de conquistar o terceiro título nacional de ralicross, quarto da sua carreira no desporto automóvel. Mas o azar bateu-lhe à porta e, como parco prémio de consolação, fica para a história um segundo lugar.

Foi na segunda sessão de treinos, ao fazer o melhor crono, que Eduardo Veiga começou a afirmar que estava com os olhos postos no título. Depois, na segunda corrida de qualificação, ao vencê-la, ainda mais confiante ficou.

Porém, na terceira corrida de domingo, um toque entre ele e Joaquim Santos, quando disputava a liderança dessa qualificação, deitou tudo a perder. Ao vencer essa corrida, Veiga ficaria somente a 1 ponto de Alberto Moreira, bastando-lhe, na final classificar-se à frente deste. Mas o referido toque impediu o piloto da TOTAL de alinhar na final.

Com a tristeza estampada na equipa de Eduardo Veiga, este teve de assistir da bancada à final da Divisão 1, abrindo assim as portas do título a Alberto Moreira, em Toyota Corolla WRC.

Um comentário

  1. MGL

    Novembro 11, 2010 às 11:57

    …”um toque entre ele e Joaquim Santos, quando disputava a liderança dessa qualificação, deitou tudo a perder. Ao vencer essa corrida, Veiga ficaria somente a 1 ponto de Alberto Moreira”… – Será que foi a mesma prova que vi? Mesmo depois de passar o Joaquim Santos teria que passar o Alberto Moreira que até já levava alguma vantagem e se preparava para vencer, aumentando a diferença pontual para o E. Veiga. Mas se calhar não estamos a falar da mesma prova

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.